Confira as 5 principais tendências para o futuro da telemedicina!

12 minutos para ler

A pandemia do coronavírus causou uma surpresa em todos os setores, especialmente na área da saúde. As mudanças que ocorreram rapidamente por conta do vírus exigiram que todos os setores se adptassem para que continuassem funcionando, e a telemedicina foi um deles.

A telemedicina, que nada mais é do que o atendimento médico na modalidade online, acabou se expandindo. Antes, as pessoas iam presencialmente aos consultórios, mas esse cenário mudou quando vimos queo atendimento online era possível. A partir disso, é evidente que o futuro da telemedicina está emergindo. Neste post, listamos as principais tendências para o futuro da telemedicina e como essa metodologia pode ser benéfica! Acompanhe!

Telemedicina: o que é e como ela cresceu nos últimos tempos?

Para entender o futuro da telemedicina, precisamos saber como ela chegou no ponto em que está hoje. Muitas pessoas ainda se sentem inseguras por se tratar de uma modalidade online, mas com as mudanças causadas pelo coronavírus, todas as áreas tiveram que se adaptar ao home office, e foi aí que a telemedicina cresceu.

Em março de 2020, o Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou o uso da telemedicina durante a pandemia, até o fim da disseminação do vírus. Assim, os médicos passaram a atuar realizando teleorientação, telemonitoramento e teleinterconsultas. Com isso, as pessoas não têm que sair de casa para se consultar, o que pode minimizar os efeitos do vírus.

Essa metodologia online permite que pacientes sejam atendidos por especialistas por meio de chats, chamadas de vídeo, vídeos ou por meio de aplicativos próprios para isso, que intermedeiam o atendimento. Tudo isso é a telemedicina funcionando na prática. Nesse formato, é possível enviar exames, emitir laudos, prontuários, fazer diagnósticos etc. O que acontecia apenas no presencial, mostrou-se viável no online.

Embora a telemedicina tenha crescido consideravelmente nesse período pandêmico, a tendência não é de que ela se restrinja apenas a esse cenário. Pelo contrário, ela pode ser aprovada a longo prazo, tornando-se uma modalidade ainda mais comum.

Quais são os benefícios da telemedicina?

Esse modelo de atendimento tem muitos benefícios. Graças à tecnologia, a rotina de muitos pacientes e profissionais da saúde pode ser otimizada devido a esse formato, afinal, eles não ficam dependentes de fatores como distância, marcar horário, remarcar algum exame etc. Os principais benefícios são:

  • redução dos custos operacionais;
  • redução do tempo de atendimento;
  • agilidade na entrega de exames e na emissão de laudos médicos;
  • redução da distância entre um paciente e o profissional;
  • facilidade na troca de informações;
  • ampliação do atendimento, pacientes de qualquer lugar podem ser atendidos;
  • diminuição do deslocamento para as clínicas e consultórios;
  • diminuição de ida aos hospitais, o que reduz as filas;
  • menor risco de contaminação.

São muitos os prós em torno da telemedicina, tanto para os profissionais da saúde, quanto para os pacientes. Algumas pessoas costumam ter a seguinte dúvida: é possível fazer todos os serviços online? A resposta é não. Alguns serviços só podem ser realizados presencialmente, pois necessitam de uma análise cirúrgica do profissional, mas a maioria pode acontecer remotamente. Saiba mais a seguir.

Quais serviços da saúde podem ser realizados online?

Como mencionamos, muitos dos serviços que são prestados presencialmente podem ser adaptados remotamente, o que facilita a vida dos pacientes e dos médicos. A lei regulariza que os seguintes atendimentos sejam feitos remotamente.

  • Teleorientação: orientação e o encaminhamento a distância.
  • Teleinterconsulta: acompanhamento terapêutico ou diagnóstico.
  • Telemonitoramento: monitoramento remoto de algum quadro de saúde ou de alguma doença.

Vale destacar que todas as especialidades podem usar a telemedicina para atender seus pacientes. A única atenção que deve ser tomada é a de ter tudo registrado no prontuário, relatando detalhadamente informações como dia, data e hora da consulta, qual foi o meio digital usado, registro profissional etc.

É possível realizar a validação de documentos por meio de uma assinatura digital, que é reconhecida pelo Certificado Digital. É importante ressaltar isso, pois essa é uma dúvida que muitos têm acerca de como validar receitas e atestados. Por meio do Certificado Digital, não há necessidade de uma assinatura ou de um carimbo físico.

Quais são as tendências para o futuro da telemedicina?

Agora que você já sabe como a telemedicina atua, quais são os formatos de atendimento que ela disponibiliza e como é regularizada, vamos dar alguns passos além e falar sobre as tendências dela para o futuro, afinal, há grandes chances dela se expandir mesmo após a pandemia.

Aumento do uso do telediagnóstico

O telediagnóstico é a avaliação de exames a distância. Diferentemente do que algumas pessoas pensam, ele não é uma análise ou investigação de alguma doença, pois ambas ações exigem a realização presencial de exames. O telediagnóstico, portanto, é uma avaliação que é feita com a ajuda das tecnologias da informação e comunicação (TICs).

Ele é uma tendência que está crescendo e vai aumentar mais ainda nos próximos anos, pois vence uma barreira geográfica. Muitas pessoas moram distante de uma clínica, um hospital ou consultório, dessa maneira, um diagnóstico online garante um acesso maior a pessoas de diferentes localizações. O termo telediagnóstico se popularizou quando foi incluído no Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes.

Além de fornecer informações importantes relativas à saúde de um paciente, o telediagnóstico é seguro, pois utiliza a tecnologia da criptografia ponta a ponta, conta com uma qualidade exatamente igual a de uma lauda física e é uma ótima forma de economizar recursos.

Aumento do uso do prontuário eletrônico

O prontuário eletrônico é uma ótima ferramenta para otimizar o tempo de atendimento. Nele, constarão todas as informações sobre o estado em que o paciente está, seu histórico de medicamentos, doenças e qualquer outra questão que seja importante para o médico. Tudo isso fica disponível online e para acesso imediato do profissional.

A digitalização de documentos que reúnem todas as informações importantes sobre um paciente se mostrou muito eficiente. A regularização do prontuário precisou ser reavaliada e adequada à realidade digital do momento, causada pela pandemia.

Uma pesquisa feita pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil sobre o uso das tecnologias em clínicas, consultórios e hospitais, relatou que 74% já utilizam algum sistema eletrônico para registrar dados dos pacientes.

A tendência é que esse número aumente e que os estabelecimentos de saúde registrem cada vez mais os dados dos pacientes no ambiente online. Isso funciona como uma forma de cuidar da logística dos documentos, afinal, não dá para usar todos os documentos no papel.

Uso da Internet das Coisas (IoT)

Essa é uma das grandes inovações dos últimos tempos. A IoT se refere ao uso de objetos conectados à Internet e suas aplicações na medicina. São diversas as aplicações da IoT, e um ponto é certo: todos são beneficiados! Os pacientes, pesquisadores que estudam sobre e os profissionais de saúde.

A IoT trabalha na coleta de dados de forma autônoma e contínua. Uma objeção muito comum é a de pensar que, por ser uma tecnologia muito avançada, ela é distante e difícil de aplicar, mas não: a Internet das Coisas já é uma realidade! Ela tem auxiliado cirurgiões, por exemplo, a distinguir tecidos cancerosos de saudáveis.

Além dos procedimentos complexos, a IoT tem auxiliado em trabalhos que exigem uma automação tecnológica, em informações e em equipamentos médicos. Essa é uma das maiores tendências do futuro da telemedicina. As principais vantagens da IoT são:

  • monitoramento do paciente;
  • registro de informações sem a necessidade de alguém atualizando;
  • mais acesso às atualizações da medicina e da saúde;
  • armazenamento automático;
  • histórico médico e telediagnóstico mais completo;
  • melhoria nas ações preventivas.

Uso dos wearables

Você sabe o que são os wearables? É uma tecnologia “vestível”, também conhecido como dispositivos eletrônicos que servem para monitorar e acompanhar a saúde de um paciente. Funciona assim: o dispositivo pode ser colocado em qualquer acessório — um exemplo de wearable é o relógio inteligente.

Esse tipo de wearable trabalha monitorando os batimentos cardíacos e contando os passos de uma pessoa. Existem outros exemplos, que estão divididos em cinco categorias:

  1. os responsáveis por monitorar a saúde e o bem-estar;
  2. a segurança;
  3. a reabilitação domiciliar;
  4. a avaliação de eficácia;
  5. a detecção de alguma doença.

Os mais usados, são os que monitoram os batimentos cardíacos, como o relógio inteligente.

Há estudos indicando que os wearables poderão ajudar a identificar doenças, realizar diagnósticos e auxiliar no tratamento de problemas mais complexos sem a necessidade de exames médicos. Esses acessórios serão grandes aliados dos médicos no futuro, e ainda mais dos pacientes.

Uso da Inteligência Artificial (IA)

Você certamente já ouviu falar da Inteligência Artificial, conhecida como IA. Ela tem aplicações nos mais diversos ramos, e o da medicina está incluído. Ela é uma ciência que usa a computação para “imitar” o comportamento humano, automatizando tarefas que não precisam de uma pessoa para acontecer.

A IA já é usada em diversos aparelhos que vemos no dia a dia, como smartphones e computadores. Na saúde, ela tem sido usada aos poucos, mas a tendência é que se expanda nos próximos anos. Um estudo do Massachusetts Institute of Technology (MIT) mostrou que a IA pode revolucionar a medicina e a tecnologia.

Na prática, ela poderá ser usada para tratar doenças, identificando o problema e o melhor tratamento para ele. A Inteligência Artificial também vai ajudar na precisão dos resultados de exames, na associação de sintomas para obter um diagnóstico acertado. Além disso, essa tecnologia pode alertar sobre algum possível quadro de saúde de um paciente e é uma aliada na recuperação de dados, armazenando, organizando e recuperando informações por meio de nuvem ou software.

Como se desenha o futuro da telemedicina nas empresas?

A telemedicina não ficará restrita apenas ao campo da saúde: empresas de diversos setores também terão a oportunidade de incluir essa modalidade de bem-estar nas organizações — e isso ajudará em muitos pontos, como na lucratividade de um negócio. Sabe por quê?

Porque a utilização da tecnologia para a prestação de serviços da saúde produz uma economia enorme, afinal, nesse formato, um paciente tem acesso a um profissional da saúde remotamente. Isso significa que há uma plataforma acessível a ele em qualquer lugar, 24 horas por dia. Mesmo que o médico não tenha um consultório, ele vai poder atender um paciente remotamente, o que gera uma economia para ambos.

As empresas que buscam praticidade para seus colaboradores, redução nas despesas com locomoção ou que precisam de alguma informação de um paciente em prontuário terão isso de maneira prática e acessível. Um estudo de um programa piloto em telemedicina em parceria com a multinacional Philips e Banner Health relatou que a telemedicina conseguiu reduzir os custos de hospitalizações em 45% e os de atendimento em 27%.

Isso mostra que há uma economia enorme para todos os envolvidos no atendimento e na consulta. As empresas são responsáveis por cuidar da saúde dos seus funcionários, especialmente aqueles que trabalham em funções em que há mais riscos de acidentes. É responsabilidade da empresa garantir o direito de realizar exames periodicamente, não apenas na contratação ou na demissão, mas principalmente na prevenção de doenças e outros problemas.

Para isso, as organizações contam com a emissão de laudo ocupacional, e a telemedicina atua operando com mais agilidade e menor custo, pois a empresa não precisa de uma equipe médica interna e o funcionário não precisa se ausentar do trabalho por um dia para ir ao consultório. Tudo isso pode ocorrer online.

As teleconsultas, os telediagnósticos e a entrega de laudos rápidos e exames urgentes podem ser realizados com mais praticidade, otimizando o tempo do médico, do paciente e da empresa. Tudo é feito automaticamente pelo sistema de saúde online que a empresa optar.

É evidente, portanto, que a telemedicina já é uma realidade possível hoje, e tem todas as ferramentas para crescer mais ainda no futuro. Tudo o que mencionamos são tendências que estão se expandindo no momento e são vistas como o futuro da telemedicina.

Gostou de aprender sobre as principais tendências do futuro da telemedicina? Entre em contato conosco para saber como o nosso sistema pode contribuir com a saúde dos seus colaboradores.

Posts relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.