Entenda os perigos do sedentarismo e como se livrar dele

4 minutos para ler

A pandemia pelo novo coronavírus mudou a maneira como interagimos com a tecnologia: métodos como o home office estão cada vez mais populares, permitindo com que trabalhemos, interajamos e comemoremos à distância. No entanto, esses hábitos também podem trazer malefícios — como aqueles, por exemplo, relacionados aos perigos do sedentarismo.

O sedentarismo é caracterizado pela insuficiência da prática de exercícios físicos em níveis adequados. Para termos uma noção, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda pelo menos 150 minutos de atividade aeróbica por semana, de nível moderado a vigoroso. A falha em atingir esse nível de atividade física predispõe a uma série de problemas de saúde física e mental.

Neste artigo, traremos 3 dos principais perigos do sedentarismo. Conhecendo eles, você terá mais disposição para se manter longe do sedentarismo e evitar seus problemas. Continue lendo para saber mais!

Aumento de peso

O aumento de peso é uma das consequências mais conhecidas do sedentarismo. É consenso científico que a obesidade (intimamente relacionada ao sedentarismo) é um fator de risco para diversas doenças. Ela faz com que a resistência e a força muscular diminuam cada vez mais — causando, assim, mais dificuldade para a prática de atividade física e alimentando um ciclo vicioso.

Com o ganho de peso, a pessoa pode desenvolver algumas doenças, como as do coração, as osteomusculares e os acidentes vasculares. Por causa desses riscos, a manutenção do peso em níveis adequados é sempre recomendada, mesmo para aquelas pessoas com alguns quilos a mais, mas que ainda não têm sintomas.

Riscos à saúde mental

A saúde mental é definida como um estado de bem-estar em que o indivíduo tem a capacidade de administrar suas emoções — conseguindo, ainda, apreciar a vida e contribuir para o ambiente onde vive. O transtorno mental, por outro lado, é caracterizado por uma série de disfunções mentais, que podem acometer indivíduos de qualquer faixa etária.

A prática de exercícios físicos está diretamente relacionada à nossa psique: quando nos exercitamos, nosso corpo secreta substâncias chamadas de endorfinas, que nos ajuda a equilibrar as emoções e nos sentirmos mais felizes. Por esse motivo, a falta de atividades físicas pode estar relacionada a diversas doenças, como a ansiedade e a depressão.

Atrofia muscular

Essa condição é definida por uma redução da massa muscular, causada por uma diminuição no tamanho das células. Como uma pessoa sedentária normalmente não estimula seus músculos regularmente, eles podem enfraquecer. Em geral, a atrofia muscular pode ser percebida ao se notar dificuldade na locomoção ou enfraquecimento de algum membro.

Além do impacto estético, a atrofia muscular também pode causar outros problemas na vida das pessoas. Ela causa uma redução na performance física, tornando ainda mais difícil se exercitar e contribuindo para o ciclo vicioso do sedentarismo.

O sedentarismo pode ser um vilão da saúde no estilo de vida moderno. A boa notícia é que os perigos do sedentarismo podem ser evitados se procurarmos realizar atividades físicas com mais frequência. Uma dica para iniciar essa prática é buscar exercícios que te dão prazer, como a natação, a dança e o crossfit. Além disso, o aumento gradual na intensidade do exercício fará com que seu corpo se acostume, o que reduz a probabilidade de lesões.

Outro método de incorporar as atividades físicas no seu dia a dia é realizando-as durante o seu trabalho. Você já ouviu falar na ginástica laboral? Conheça mais sobre essa metodologia e seus benefícios!

Posts relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.